quinta-feira, 30 de agosto de 2012

O que é uma potencia olímpica

A gente ouve diariamente aquela história de que o Brasil quer ser uma potencia olímpica. Mas afinal, o que é uma potencia olímpica?

Para mim, as medalhas conquistadas não levam o país a ser uma potencia olímpica. As medalhas são consequência de o país ser uma potencia.

Para mim, são oito as potencias olímpicas atualmente:
EUA, China, Grã Bretanha, Rússia, Itália, França, Austrália e Alemanha.

E não foram as oito primeiras colocadas no quadro de medalhas de Londres.

Um país que é uma potencia olímpica tem que ter representantes bons na maioria dos esportes. Isso, por exemplo, não acontece com a Coreia do Sul, que ficou em quinto no quadro de medalhas em Londres, mas não chegou sequer a UMA FINAL olímpica no atletismo.E olha que eles sediaram o mundial de 2011.

O Cazaquistão, que ficou em 12º no quadro de medalhas, chegou em poucos esportes. Aliás, apenas 21 vezes esteve entre os oito primeiros. Só para comparação, o Brasil chegou 38 vezes entre os oito primeiros.

Um país que é uma potencia olímpica tem um bom trabalho de base, tem uma imprensa que divulga e  ENTENDE das modalidade olímpicas, sedia bastante eventos, tem esportes nas escolas e/ou nas universidades, investimento de empresas privadas(principalmente) no esporte de alto nível e de empresas púbicas (principalmente) no esporte de base e muitos outros motivos.

Um país que tem tudo isso passa a ser uma potência olímpica e não quem ganha muitas medalhas.

E o principal objetivo para o Brasil até os Jogos de 2016 é criar tudo isso que foi citado acima e não necessariamente ganhar medalhas.


As medalhas legais de serem conquistadas, eu vibro com cada uma delas...Mas tudo é consequência do que foi feito.

Siga o blog no twitter: @brasilnorio

13 comentários:

  1. Se todos fossem, na imprensa, iguais a você... que maravilha viver.

    ResponderExcluir
  2. concordo plenamente e sou fã do blog.
    mas "houve" com h na primeira linha doeu no ouvido
    hahaha
    abração

    ResponderExcluir
  3. Pois é Guilherme, e não por acaso, das oito potências olímpicas que você citou, pelo menos cinco desses países são referência em educação... O trabalho de base que você, com muita propriedade citou, na minha opinião começa dentro das ESCOLAS. Abraços e parabéns pelos sempre coerentes comentários.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Milton!!
      E concordo com você, esporte nas escolas é o começo de tudo!

      Abraços!

      Excluir
  4. Caro Guilherme, sigo sempre diariamente visitando o seu blog já há vários anos. Ele é referência em esportes olímpicos e o "Brasil no Rio" já é uma febre. Assino embaixo o seu comentário. Os esportes olímpicos precisam ser mais divulgados. Gosto de futebol, mas neste país a monocultura esportiva não ajuda e a imprensa é em grande parte culpada por isso. É preciso educar a partir da base, dar condições aos professores e crianças nas escolas conhecerem outros esportes e formarem uma massa praticante e interessada em modalidades olímpicas, tudo isso com uma integração entre governo (que deveria ser o planejador e o indutor dessa política), empresas privadas e imprensa. Só assim poderemos chegar um dia no grupo dos países citados por você. Um grande abraço !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Britto...Obrigado sempre pelas visitas e pelos elogios!
      Educação é base de tudo..é isso aí!

      Um abraço!!

      Excluir
  5. Concordo plenamente com o post e com os comentários, e ainda acrescento mais coisas: as transmissões esportivas com todas as modalidades olímpicas só passam em TV fechada... As emissoras abertas, em vez de gastar tempo de seus programas falando se "tal jogador vai jogar onde" ou "o time treinou hoje de manhã", deviam falar dos tantos e tantos mundiais esportivos que acontecem todo o ano. Outras divulgações que deveriam ser bem melhores são as das categorias de base e dos desportos paralímpicos. É aguardar o efeito 2016.
    Abraços!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é outra coisa que concordo. As tvs abertas não mostram outros esportes e quando mostram fazem transmissões pífias, sem nexos sem explicações...

      Abraços e valeu!!

      Excluir
  6. Reforço os comentários do colega Carlos Vaz. A imprensa no Brasil não é esportiva, mas sim futebolística. Sem divulgação de novas modalidades como as crianças e possoas irão se interessar em praticar esportes que, até o momento, não tem tradição no Brasil.

    ResponderExcluir